sábado, 11 de dezembro de 2010

Procura.


Antes não havia sabido
Do acaso, do tempo, espera e revolta.
O desejo pelo amor perdido
Porta aberta para esperança morta.

Ontem já era tarde
Quando me acalmou o ardor.
Meio ausência, meio saudade.
Resistência, insistência desse amor.

Agora chove, molha o jardim
E o tempo passa devagar,
Alimentando vingança dentro de mim.

Posso esperar. Nascer não é fim
E me perco, Para te encontrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário